25/02/2016

[Pt] Saber, Fazer, Saber Fazer, Fazer Saber (6/7)

Por

Managing Partner

Com frequência ouvimos líderes empresariais e gestores de organizações manifestar apoio sem reservas à ideia de que o conhecimento e a aprendizagem são de inquestionável importância para a competitividade e o desempenho dos seus negócios. Contudo, a atenção, o esforço e o investimento aplicados na valorização do conhecimento são em muitos casos muito escassos, contradizendo na prática as convicções expressas. Confrontados com a incoerência entre as palavras e os atos, a alegação mais vezes invocada é a da falta de tempo.

 

Como se sabe, o tempo tem as costas largas. Quantas vezes se diz que não houve tempo ou que não há tempo para nada. Mas a realidade (por ventura chocante para os mais distraídos) é a de que o tempo é sempre igual: cada dia tem 24 horas, cada hora tem 60 minutos, cada minuto tem 60 segundos. E não só o tempo é sempre igual como é igual para todos (realmente há coisas em que somos todos iguais). Sem tirar nem pôr.

 

Então, sendo o tempo igual para todos, como é possível que algumas pessoas não tenham tempo para nada e outras conseguem ter tempo para (quase) tudo? A diferença está obviamente na maneira como se utiliza o tempo. O que cada pessoa faz discricionariamente, à sua maneira, é escolher, de forma consciente ou não, o modo como ocupa o tempo. Quando dizemos que não tivemos tempo para alguma coisa, realmente devíamos dizer que não fizemos uma certa coisa porque escolhemos fazer outras em seu lugar. Se optámos por fazer uma coisa mais importante, ainda bem. Mas muitas vezes o que acontece é que, sem nos apercebermos, acabamos por ocupar o tempo com coisas menores, deixando de lado outras mais importantes, ou porque são mais difíceis, ou porque nos apetecem menos, ou porque temos menos confiança em abordá-las. Não viria mal ao mundo se isso acontecesse por acidente num dia qualquer, mas a realidade é que isso tende a acontecer dia após dia, indefinidamente (e aqui vem de novo à mente a história do sapo na panela de água quente...).

 

A propósito, vale a pena recordar que, no plano macroeconómico, tem sido evidenciado por diversos estudos que, existe uma correlação inversa entre tempo de trabalho e desenvolvimento. Isto é, ao contrário do entendimento popular, não são os povos que trabalham mais que são mais ricos, o que significa que a diferença a favor dos países mais desenvolvidos não é quantitativa, mas sim qualitativa. Produtividade não é trabalhar mais, é fazer as coisas muito bem feitas (maximizando o valor do output) em menos tempo (minimizando o custo do input). Isto significa trabalhar bem e com destreza, sem distrações e com um mínimo de interrupções, com total concentração naquilo que se faz. Faz-se mais em menos tempo sobretudo porque se faz bem à primeira, não precisando de se gastar tempo com correções ou repetições.

 

Voltando ao tema principal, de facto cada um de nós é que decide como utilizar o tempo. Então, se consideramos que a questão do conhecimento e da aprendizagem é realmente determinante na atividade de uma empresa, não faz sentido afirmarmos que não há tempo para aprender. Tem que haver tempo para o que é importante. E, se o tempo não chega para tudo, então:

  • Eliminem-se todas as coisas menores e desnecessárias;
  • Simplifiquem-se ao máximo todas as coisas menores mas, apesar de tudo, necessárias;
  • Evitem-se com empenho distrações, dispersões e faltas de concentração;
  • Erradiquem-se com determinação erros desnecessários e evitáveis, que atrasam e fazem repetir o que deveria ter sido bem feito da primeira vez;
  • Evite-se cair na tentação de fazer aquilo que é mais fácil ou aquilo de que mais se gosta, em detrimento daquilo que é mais importante que se faça.

 

Não se cria valor fazendo erraticamente o que nos apetece em cada momento. Cria-se valor quando nos apetece fazer sistematicamente aquilo que é mais importante que seja feito. 

Questão: porque é que temos o vício de gastar tempo em coisas menores em vez de investir tempo em coisas maiores?

 

Saber Fazer desenvolvimento

Artigos relacionados

Ver mais artigos

Encontre-nos

Rua da Cozinha Económica, Condomínio Alcântara-Rio, Bloco A 2-Dto
1300-149 Lisboa
38.703734, -9.17593
+351 21 361 61 20
info@steam.pt

Edifício Clube Náutico, Senhora Santana
7580-309 Alcácer do Sal
38.369226, -8.511614
+351 265 098 350
info@steam.pt

Precisa de ajuda?

+351 213 616 120

Ou deixe o seu número e entraremos em contacto assim que possível.
Serviço disponível, dias úteis 10h-18h.
Enviado com sucesso. Entraremos em contacto assim que possível.
Ocorreu um erro no envio do email. Por favor tente novamente.

Ainda não encontrou o que procura?

Fale connosco e encontre uma solução à sua medida.

Contactos

Rua da Cozinha Económica, Condomínio Alcântara-Rio, Bloco A 2-Dto
1300-149 Lisboa
38.703734, -9.17593

+351 21 361 61 20
info@steam.pt

Edifício Clube Náutico, Senhora Santana
7580-309 Alcácer do Sal
38.369226, -8.511614

+351 265 098 350
info@steam.pt

Enviado com sucesso. Entraremos em contacto assim que possível.

Ocorreu um erro no envio do email. Por favor tente novamente.